Proxxima
Meio & Mensagem

You Tube cresce como plataforma de branding no Brasil.

Buscar

Blog do Pyr

Publicidade

You Tube cresce como plataforma de branding no Brasil.

You Tube começa a construir cases de branding no Brasil. O lançamento do Tracker foi 100% digital e 100% no You Tube.

5 de janeiro de 2017 - 8h09

A maior plataforma de vídeos do mundo nasceu com conteúdos ingênuos e amadores e foi isso que fez seu sucesso, porque qualquer pessoa poderia então publicar seus vídeos, que seriam vistos pelo mundo todo. Uma revolução como poucas na história do entretenimento online. O You Tube, em verdade, continua fazendo isso e seu sucesso e audiência segue suportado por esse achado tecnológico e de negócios.

Mas o You Tube, como tudo na vida, evolui. No seu caso, uma invasão de conteúdos profissionais e de alta qualidade começou a invadir seus espaços e isso foi bom tanto para o próprio You Tube, como para agências e anunciantes, que aprenderam a usar a plataforma como arma de comunicação e marketing de maneira cada dia mais eficiente.

Depois veio a invasão dos You Tubers Celebs, nova reviravolta.

Agora, estamos assistindo no Brasil a uma sutil, mas relevante nova guinada da plataforma, que começa a exibir cases mais frequentes e consistentes de construção de marcas, ou o chamado branding, algo que até então não vinha sendo registrado. O You Tube tem sido visto, de forma míope e apequenada por agências e anunciantes, como uma TV na internet. Ele pode ser isso também, claro, e até com eficiência. Mas isso é só um pedaço do que ele pode ser.

Como nos conta Julio Zaguini, Agency Developer Director do Google, “estamos assistindo a um crescimento no uso do You Tube para a construção de marcas. Elas estão usando a plataforma de maneira mais rica e diferenciada. Agora não mais somente aproveitando nossas grandes audiências para gerar awareness, mas também para explorar grupos e targets específicos, identificados por seu comportamento comum, usando ferramentas como o Google Preferred. Com ela você pode acompanhar o desempenho dos vídeos mais vistos, os mais comentados, os que tiveram um número maior de likes, etc.”

Os recursos do You Tube para quem deseja construir marca permitem segmentação por afinidades e disciplinas, como por exemplo, Esportes, Música, Futebol, Moda, Beleza, Games, Tech, etc. Ou ainda e adicionalmente por cortes sócio-demográficos. Agrupados assim, os vídeos, revela Zaguini, atingem pelo menos 5% mais de views.

Zaguini enxerga nesse movimento um avanço de percepção pelo setor de marketing de seu conhecimento do mundo digital. Revela que em 2016 foram realizados 12 grandes projetos de branding na plataforma do You Tube e que vários outros novos já estão sendo comercializados para entrarem no ar em 2017.

Como exemplo dessa tendência, ele destaca a campanha da GM para o lançamento do Traker em novembro do ano passado, uma campanha 100% digital. A montadora ocupou todos os espaços do You Tube por 24 horas. Foram produzidas 41 versões diferentes da campanha, com foco cada uma num cluster de público diferente. Como resultado, 32 milhões de pessoas foram impactadas com vídeos específicos por seu perfil de afinidade, com uma frequência média de 9,6 anúncios por pessoa.

Pesquisa sobre o hábito do brasileiro para consumo de vídeos online, encomendada pelo YouTube e realizada pela Provokers, mostra que, de cada dez horas que os brasileiros dedicam a assistir vídeos, mais de quatro são online. Além disso, cerca de 85 milhões de pessoas (42% da população) já têm o hábito de assistir vídeos na internet, sendo que desses, 82 milhões usam o YouTube. O percentual já supera os que assistem TV por assinatura, revelam os dados. Um mercado, portanto, altamente promissor.

Quando agências e anunciantes começam a se utilizar das plataformas digitais de forma mais elaborada, isso significa que o mercado está evoluindo. E isso é bom. Seja no You Tube ou em qualquer outra plataforma digital.

 

Compartilhe

  • Temas

  • julio zaguini

  • Google

  • You Tube

  • Audiência

  • Campanhas

  • Consumo

  • digital

  • Google

  • internet

  • marketing

  • Mobile

  • Mulheres

  • Negócios

Publicidade