Proxxima
Meio & Mensagem

Por que o Canadá se Tornou a Meca da Inteligência Artificial?

Buscar

How To

Publicidade

Por que o Canadá se Tornou a Meca da Inteligência Artificial?

E o que o Brasil tem a ver com isso? Estamos dando nossos primeiros e importantes passos na criação de startups de Inteligência Artificial e temos muito a aprender com o Canadá.

ProXXIma
13 de novembro de 2017 - 9h00

 Por Salomão Filho (*)

Uma nova onda vem rapidamente tomando conta do ecossistema global de startups, atraindo pesados investimentos do capital de risco e abrindo uma nova frente de batalha entre as grandes empresas de tecnologia e de outros setores. Na briga estão gigantes como Google, Apple, Uber, Samsung, Amazon, Facebook, Microsoft, Baidu, Twitter, Intel, Ford, GE e IBM.

A noiva da vez é a Inteligência Artificial, considerada a próxima grande revolução tecnológica e que será o alicerce de uma nova geração de startups programadas par atuar em indústrias tão distintas quanto saúde, finanças, construção, transporte, educação, agricultura e varejo.

De acordo com pesquisa da CB Insights, mais de 250 empresas que desenvolveram e utilizam programas de Inteligência Artificial em diferentes áreas foram adquiridas desde 2012, 37 delas somente no primeiro trimestre deste ano.

Para ter uma ideia do apetite do Corporate Venture por startups de IA, entre as maiores negociações deste ano está a compra pela Ford da Argo AI, desenvolvedora de softwares de machine learning para veículos autônomos, por nada menos que US$ 1 bilhão. O Google tem demonstrado a maior voracidade, com 12 aquisições desde 2012, entre elas a britânica DeepMind por cerca de US$ 600 milhões.

O tsunami de investimentos na próxima fronteira tecnológica colocou no cenário novos mercados internacionais interessados em fomentar o desenvolvimento de algoritmos que serão os motores das empresas de tecnologia do Vale do Silício, Europa, China, Israel, Índia e outros países que até aqui lideraram a inovação e a construção da economia digital.

Um país, em particular, já fez e continuará fazendo história para se consolidar como o epicentro da Inteligência Artificial: o Canadá. De acordo com relatório da PwC Canadá, as empresas de inteligência artificial canadenses receberam um volume de investimento recorde nos 3 primeiros trimestres deste ano, somando US$ 244 milhões em 22 aportes.

O despertar desta nova potência tecnológica é resultado de um bem arquitetado plano conjunto que envolve o Governo, as universidades, empresas, investidores e empreendedores canadenses. O objetivo é colocar o país na liderança em pesquisa e desenvolvimento de empresas e talentos preparados para trabalhar em áreas como deep learning, machine learning, redes neurais e natural language processing.

O Canadá tem um forte DNA em Inteligência Artificial e não é exagero dizer que reúne a maior concentração mundial de pesquisadores independentes sobre IA. Basicamente, as tecnologias que permitiram o desenvolvimento das aplicações de IA foram inventadas nos laboratórios das universidades canadenses.

São crânios como Geoffrey Hinton, cientista do Google, PHD e professor de ciência da computação da Universidade de Toronto, um dos pioneiros no treinamento de redes neurais. Outra celebridade na área é Yoshua Bengio, da McGill University, apontado como um dos “pais” da tecnologia de deep learning e que hoje comanda o Montreal Institute for Learning Algorithms, além de ter sido convidado pela Samsung para abrir um laboratório na Universidade de Montreal que irá desenvolver algoritmos para reconhecimento de voz e imagem, robótica, direção autônoma e traduções. Bengio ajudou também a criar um poderoso ecossistema que inclui ainda o Institute for Data Valorisation (IVADO) e a Element AI, uma fábrica de startups de IA.

Além de ter uma safra fértil de pesquisadores, professores e profissionais, o Governo canadense abre portas para imigrantes interessados em trabalhar no país com tecnologia. Mais ainda, direciona polpudos recursos para apoiar o desenvolvimento da nova indústria da IA e coloca em práticas iniciativas que fortaleçam e coloquem o país na dianteira mantendo os melhores profissionais em casa.

Uma delas é o Vector Institute, que tem como desafio estimular a formação de talentos, a pesquisa e o desenvolvimento do futuro da IA. O Instituto nasceu com investimentos de US$ 100 milhões feitos pelo próprio Governo e mais US$ 80 milhões de empresas patrocinadoras. O Vector Institute terá o apoio do Canadian Institute for Advanced Research (CIFAR), que tem um orçamento este ano de US$ 125 milhões para lançar o programa batizado “Pan-Canadian Artificial Intelligence Strategy”.

A ideia é reter no País talentos que hoje são disputados e assediados por empresas como Google, Apple, Facebook e Microsoft. A propósito, em um movimento contrário, o ambiente próspero do Canadá para evolução da IA tem levado estas mesmas empresas a montar QGs em cidades como Montreal, Toronto e Edmonton.

O último a chegar foi o Facebook, que terá um laboratório em Montreal sob o comando da professora Joelle Pineau, da McGill University. A empresa de Zuckerberg tem na IA seu principal sustentáculo e seu futuro depende essencialmente do desenvolvimento de novas tecnologias como robótica, reinforcement learning e sistemas de reconhecimento de voz. Mesmo caso do Google, da Microsoft, do Uber, da Samsung e tantas outras ‘techie companies’ que também já inauguraram centros de pesquisa em IA no País em parcerias com universidades canadenses.

E o Brasil? Que lições (e oportunidades) podemos tirar do Canadá?

Por aqui, estamos dando nossos primeiros e importantes passos na criação de startups de Inteligência Artificial. A conexão com mercados como o Canadá é essencial para estar na curva da inovação e aprender com os melhores cientistas em IA do mundo.

 

Tenho acompanhado de perto estas grandes transformações como sócio da Stradigi, que inaugurou recentemente em Montreal o Stradigi Labs. O laboratório será comandado por Carolina Bessega, uma astrofísica com participação em diversos projetos internacionais de IA e profundo conhecimento em temas como machine learning, computer vision, natural language processing e redes neurais.

A Propulse, empresa de reconhecimento de imagem para e-commerce, nasceu na Stradigi Labs quando tínhamos 2 PHDs. Hoje temos 22 e 28 em processo de contratação vindos do mundo inteiro – Argentina, Venezuela, Irã, Brasil, França, Índia e do próprio Canadá.

O crescimento da equipe visa atender nosso novo laboratório, que terá como foco desenvolver soluções de machine learning nas áreas de saúde e esportes, nas quais já temos projetos em andamento. Nossa visão será apoiar negócios a desenvolver e adotar tecnologias de IA para resolver problemas complexos e melhorar seus resultados financeiros.

O cenário da IA no Canadá não está restrito às grandes da tecnologia. Bem ao contrário, há uma leva cada vez maior de startups focadas em criar soluções para as mais diversas aplicações. A oferta de talentos é farta, os investimentos crescentes e o forte envolvimento com o universo acadêmico são combustíveis que abrem muitas oportunidades para quem deseja empreender e fazer negócios com empresas do País.

E você? Já pensou em ser um empreendedor brasileiro de Inteligência Artificial? A oportunidade está aí e já deixou de ser tendência. Não custa lembrar: em tecnologia o ontem já é futuro e, no caso da IA, as máquinas estão aprendendo rápido. Quem dominá-las provavelmente será a próxima empresa mais valiosa do planeta. Duvida?

 

(*) Salomão Filho é investidor em startups de tecnologia e diretor e sócio da  Propulse Analytics, empresa de tecnologia em Inteligência Artificial que  desenvolveu uma ferramenta de previsão de compras para e-commerce

Fonte da imagem: Betakit

Compartilhe

  • Temas

  • inteligência artificial

Publicidade