Proxxima
Meio & Mensagem

Deus fez o Céu e a Terra; o resto foi feito na China

Buscar

How To

Publicidade

Deus fez o Céu e a Terra; o resto foi feito na China

Na tecnologia de reconhecimento facial aliada à Inteligência Artificial e Big Data, a China é vanguarda isolada. Recentemente, um foragido foi reconhecido durante um show em meio a 60 mil pessoas – a imagem foi checada em um banco de dados em menos de 0,001 segu

Omarson Costa
12 de setembro de 2018 - 13h52

Por Omarson Costa (*)

O título já conhecido deste artigo nunca foi tão verdadeiro e nos traz uma inevitável reflexão: estamos todos nos tornando novamente devotos e dependentes da China, como já aconteceu no passado? A história irá se repetir?

Vamos começar traçando um paralelo com nosso Brasil.

No ano passado, a renda per capita dos chineses (em paridade do poder de compra – PCC) alcançou, segundo dados do FMI, US$ 15.399, ultrapassando a nossa, de US$ 15.242. Com uma extensão territorial aproximada (China com quase 9,6 milhões km2 e Brasil com 8,5 milhões km2), a população chinesa está batendo 1,4 bilhão (quase 51,9% são homens e 48,1% são mulheres) contra 214 milhões de brasileiros (49,2% são homens e 50,8% são mulheres).

Apenas este ano, até a data de hoje (11/09), já nasceram mais de 12 milhões de chineses e a população aumentou em 5 milhões de habitantes. Só hoje* chegaram ao mundo mais de 47 mil bebês chineses (*data que escrevi o artigo).

Em um país de muitos contrastes, que combina uma dura linha política e grandes diferenças sociais com forte desenvolvimento econômico e liderança na criação de novas tecnologias, tudo no Planeta China é grandioso e espantoso, especialmente pela marcha acelerada com que vem avançando nos últimos anos para se firmar como a maior potência mundial, o primeiro emergente a desbancar a supremacia norte-americana.

Aos que ainda são céticos sobre o avanço do País asiático, basta dizer que a dívida pública chinesa, de US$ 4,976 trilhões, é a terceira maior do mundo, de acordo com levantamento feito pela Visual Capitalist. Os Estados Unidos contabilizam quase US$ 20 trilhões e o Japão próximo de US$ 12 trilhões.

A dívida chinesa corresponde a 44,3% do PIB do País, um percentual ínfimo se comparado com as demais economias – nos Estados Unidos é equivalente a 107,1% do PIB e no Japão é 239,3% do PIB. Com seu gigante mercado doméstico, é fácil imaginar o quanto a China ainda poderá continuar crescendo nas próximas décadas.

Fonte: Visual Capitalist

Outro relatório da PwC indica que em 2050 o PIB chinês irá alcançar US$ 58,499 trilhões, consolidando com folga sua posição de maior economia do mundo, seguida pela Índia, com US$ 44,128 trilhões, e os Estados Unidos, com US$ 34,102 trilhões, que perderão a segunda posição atual para os indianos. Dependendo dos rumos das eleições e da economia nos próximos anos, o Brasil, apenas para registro, passará do 7o para o 5o lugar, com um PIB de US$ 7,540 trilhões, ficando atrás da Indonésia, com US$ 10,502 trilhões, que irá saltar da atual 8a para 4a posição.

Fonte: PwC

Se eu te disser que há 15 anos os chineses desconheciam cartão de crédito e hoje são responsáveis por movimentar o maior comércio online do mundo, pagando tudo por celular, você acreditaria? De acordo com o iResearch Consulting Group, em 2016 os pagamentos móveis totalizaram US$ 9 trilhões no País. E se eu te disser que há 200 milhões de câmeras em todo o país utilizando sofisticados sistemas de reconhecimento facial, que, aliado à Inteligência Artificial, monitoram detalhadamente o comportamento de sua população, isso te surpreenderia?

O crescimento econômico do País nas últimas décadas após as reformas econômicas iniciadas no final dos anos 70 retrata com clareza sua determinação em sair da condição de emergente para se consolidar como a maior economia do planeta. Mas o que está por trás dos impressionantes números da economia chinesa?

Em uma palavra: inovação.

Em 40 anos, o país retirou 850 milhões de pessoas da linha da pobreza (menos de US$ 0,93 por dia estabelecida pelo Governo Chinês). A receita foi investir pesado no trinômio educação, ciência e tecnologia – no ano passado 8 milhões de pessoas se formaram nas universidades chinesas.

Engenharia é uma das carreiras mais procuradas por conta do incentivo do governo chinês para formar profissionais em áreas técnicas. Sua capacidade de inovar e liderar o desenvolvimento de novas tecnologias é resultado de uma educação pública de qualidade para todos, com forte investimento em projetos de pesquisa e desenvolvimento financiados pelo próprio governo. No Brasil, as carreiras mais buscadas continuam sendo, segundo o SiSU (Sistema de Seleção Unificada), Medicina, Direito e Administração.

Com 98% de acesso à Internet por dispositivos móveis, 3 vezes mais smartphones e 11% mais usuários de mobile payment que nos Estados Unidos, a China decidiu proibir o uso de criptomoedas no País, mas irá aceitar legalmente a apresentação de evidências em processos caso tenham sido registradas em blockchain.

Há diversos setores em que o País vem se destacando, como a de energia renovável. No campo da energia solar, a China tem mais capacidade do que qualquer país do mundo e abriga a maior planta do planeta no deserto de Tengger, com uma capacidade superior a 1.500 megawatts.

E não faz muito tempo, vale registrar, o País tinha a péssima reputação de grande poluidor, principalmente pela grande quantidade de usinas de carvão. Mas este cenário vem mudando rapidamente. Hoje, a China investe mais e mais a cada ano no setor de energia – o dobro do investimento norte-americano e mais do que o investimento anual realizado pelos Estados Unidos e União Europeia juntos, segundo relatório da consultoria EY. Até 2020, a China planeja investir US$ 360 bilhões em energia limpa, de acordo com a agência governamental de energia.

Fonte da imagem: Statista

 

Outra indústria com forte potencial em função dos investimentos em energia limpa é a automobilística. Em 2017, foram vendidos 1,2 milhão de carros elétricos em todo o planeta; metade foi para o mercado chinês, sendo que mais de 100 mil deles foram comercializados somente no mês de dezembro.

O governo chinês já estipulou uma meta de que, até 2025, 20% de sua frota deverá ser de veículos elétricos ou movidos a combustíveis alternativos. Talvez em 30 ou 40 anos, as principais montadoras de carros sejam chinesas e focadas na fabricação de carros elétricos. Façam suas apostas.

Fonte da imagem: Statista

Na tecnologia de reconhecimento facial aliada à Inteligência Artificial e Big Data, a China é vanguarda isolada. Recentemente, um foragido foi reconhecido durante um show em meio a 60 mil pessoas – a imagem foi checada em um banco de dados em menos de 0,001 segundos.

O sistema é utilizado para identificar motoristas infratores, confirmar identidades, localizar desaparecidos e monitorar hábitos e costumes, o que vem gerando apreensão, tendo em vista que por falta de leis sobre direito à privacidade, esses dados são compartilhados pelo governo junto a empresas privadas sem que os cidadãos possam regular o acesso que essas organizações adquirem sobre suas preferências e estilo de vida.

Fonte do video: Youtube

Atualmente, o governo chinês trabalha em um projeto que poderia identificar cada um dos 1,4 bilhão de chineses em apenas 3 segundos e com uma precisão que chegaria a 90%. É quase um país inteiro sendo monitorado 24 horas por dia, sete dias por semana. Incrível e, ao mesmo tempo, assustador. Seria este o futuro do Ocidente? Sermos vigiados pelo Estado todos os dias?

De olho no futuro, as startups chinesas não ficam para trás e já figuram na lista dos maiores unicórnios do mundo, com 168 empresas somando um valor total de mercado de US$ 628 bilhões, incluindo desde empresas de fintech e drones até fornecedores de vegetais para restaurantes e compartilhamento de bicicletas.

Juntas, elas formam um dos maiores grupos de empresas não listadas do mundo com avaliações de bilhões de dólares. Nos últimos anos, o País (Beijing e Xangai), vem disputando com os Estados Unidos (Silicon Valley e New York) a atração de investimentos para financiar empresas nascentes, como mostra o infográfico da CB Insigths.

Esse sucesso vem, em parte, da combinação de inovação e um vasto mercado de consumidores felizes em adotar a última tendência, que incluem aluguel de bicicleta, carregadores de bateria e até cabines de karaokê. Diferente de seus pares no Vale do Silício, enquanto as startups americanas focam suas atividades em soluções de negócios, o dinheiro na China foi canalizado principalmente para empresas orientadas ao consumidor.

Dos 5 maiores unicórnios do mundo, 3 são chineses e 2 são americanos.

O fato de restringir o acesso a Internet acabou criando gigantes chineses na indústria digital, como é o caso do Baidu, o “Google Chinês”; a Huawei, a Xiaomi e a Meizu, as “Apples chinesas”; o WeChat, o “WhatsApp chinês”, com impressionantes 1 bilhão de usuários mensais; o Alibaba, a “Amazon chinesa”; a DiDi Chuxing, a “Uber chinesa”, que comprou a 99 e a transformou no primeiro unicórnio brasileiro; e muitas outras estrelas da tecnologia.

Uma reflexão: você se sentiria confortável em compartilhar seus dados com o Governo chinês para utilizar os aplicativos e navegar na Internet? Se algo der errado, você confiaria no (ou conhece o suficiente sobre o) sistema legal chinês?

Das 20 maiores empresas de Internet do mundo, 9 são chinesas e 11 são americanas.

Apesar dos avanços tecnológicos e do grande desenvolvimento econômico, o cidadão chinês ainda sofre com desigualdade social, principalmente entre o meio urbano e rural, a falta da liberdade de expressão, carga de trabalho excessiva e pouca proteção social. A China conta com apenas 10% das terras cultiváveis do mundo e tem um quinto da população do globo. Por conta disso, os chineses vêm investindo com grande apetite na compra de terras e na agricultura no exterior, inclusive aqui no Brasil.

Este é mesmo um país singular e de muitas contradições, mas, seja lá como for, não tenha dúvida, não há como fugir, é bom você começar a aprender mandarim. Ou poderá perder o próximo ‘Negócio da China’.

(*) Omarson Costa é formado em Análise de Sistemas e Marketing, tem MBA e especialização em Direito em Telecomunicações. Em sua carreira, registra passagens em empresas de telecom, meios de pagamento e Internet

Fonte da imagem da Abertura: This is why I’m broke

Compartilhe

  • Temas

  • PwC

  • Xiaomi

  • WeChat

  • didi

  • Baidu

  • Huawei

  • Inovação

  • tecnologia

  • internet

  • China

  • BLOCKCHAIN

Publicidade