Proxxima
Meio & Mensagem

Big Data: Quando os dados ditam o que você vai comprar

Buscar

How To

Publicidade

Big Data: Quando os dados ditam o que você vai comprar

As empresas, com informações extremamente relevantes e mineradas da forma adequada, estão um passo à frente dos desejos do consumidor.

ProXXIma
9 de novembro de 2018 - 7h35

Por Eduardo Prange (*)

O mundo digital poderia ser definido como uma grande estante com milhares de gavetas cheias de informações. Nomes, CPFs, localizações, preferências, restaurantes favoritos, amigos… A lista é gigante! Estes são só alguns dos infindáveis dados que a internet nos permite ter acesso. Neste mundo tão high tech, nos tornamos consumidores altamente conectados e deixamos traços da nossa vida online por onde passamos. O conjunto de todas essas informações é o tão falado big data.

As empresas, com informações extremamente relevantes e mineradas da forma adequada, estão um passo à frente dos desejos do consumidor. Ter a capacidade de antecipar tendências de consumo é o objetivo de todo varejista. Conhecer a rotina de compra do cliente, cada vez mais hiperconectado é estar atento ao que ele procura.

Como consumidores, estamos cada vez mais ligados a marcas, empresas, causas, etc. Neste ponto, a tecnologia nos apresenta uma nova forma de consumir, onde estamos pautados pela experiência de compra, onde o preço não é fator determinante. É muito mais atraente comprar em uma loja segura, que entregue os produtos com agilidade e que tenha atenção no cliente, ao ponto de oferecer o que nós precisamos – mesmo quando nem sabemos que precisamos.

Um recente estudo da Euromonitor Internacional, empresa de pesquisas digitais, mostrou que os consumidores comparam preços no ambiente digital pelo menos uma vez por semana e pelo menos uma vez na vida interagiram com uma empresa via mídias sociais. Além disso, destacam-se três características marcantes desse público: imediatismo; personalização e independência. Em todos estes aspectos, obig data pode, e muito provavelmente estará completamente incluso, facilitando a vida de quem compra e de quem vende.

Conhecer essa jornada e os interesses dos consumidores garante uma oferta personalizada e estratégica. Quem nunca pesquisou determinado produto e segundos depois encontrou diversos semelhantes no seu feed de notícias? Ou recebeu um SMS assim que entrou no shopping? O consumidor está mais exigente e alcança-lo de forma positiva vai ajudá-lo a escolher o que ele vai comprar e onde.

Com toda essa transformação digital, o cliente ganha o poder de dizer e ser ouvido no mesmo instante por milhares de pessoas sobre um produto ou marca, e essa opinião compartilhada passa a influenciar as decisões de outros consumidores.

Aproveitar tudo o que a internet e as tecnologias podem oferecer é participar dessa transformação que temos, aos poucos, vivido. Ou seja, as ideias e as decisões das empresas são embasadas na análise das informações coletadas sobre o público e o mercado. Tal público se baseia na reputação, segurança e cuidado que esta empresa oferece aos seus clientes. Com a união de ambas as partes, a mensagem que chega ao cliente é a que ele quer ouvir (ou ler), onde quer que ele esteja, e na hora em que ele quiser.

Por isso, estar conectado é ser visto e abordado pelas marcas. Elas oferecem incontáveis oportunidades, por vezes descontos e até um relacionamento personalizado. Analise com base em suas necessidades, dores e experiências o que mais te satisfaz. Isso é o futuro.

(*) Eduardo Prange é sócio-fundador da Zeeng

www.zeeng.com.br

(*) Artigo originalmente publicado no Olhar Eletrônico

Compartilhe

  • Temas

  • eduardo prange

  • ZEENG

Publicidade