Meio & Mensagem

Inteligência Artificial pode acelerar crescimento do Brasil, diz Accenture

Buscar

Notícias

Publicidade

Inteligência Artificial pode acelerar crescimento do Brasil, diz Accenture

De acordo com o levantamento da consultoria, no Brasil, a IA também poderia impulsionar o Valor Agregado Bruto (VAB) da economia local em US$ 432 bilhões.

ProXXIma
17 de maio de 2017 - 6h53

A Inteligência Artificial (IA) tem potencial para adicionar até 1 ponto percentual nas taxas de crescimento econômico anual das principais economias da América do Sul, em 2035, além de transformar o mercado de trabalho e criar uma nova relação entre homem e máquina. É o que aponta o estudo “Como a Inteligência Artificial pode acelerar o crescimento da América do Sul”, da Accenture Research.

“O estudo se baseia no fato de que, globalmente, há algumas décadas, o modelo tradicional de expansão econômica vem sofrendo um forte declínio. A partir disso, algumas soluções aliadas à IA, como robótica e big data, poderiam ser a solução para o atual cenário em que a produção de capital e a mão de obra já não geram taxas de crescimento consistentes”, analisa Armen Ovanessoff, diretor executivo da Accenture Research para a América Latina. Assim, a pesquisa conclui que, quando tratada pelas empresas como um fator de produção, a IA proporciona aceleração ao crescimento de três maneiras distintas: por meio da automação inteligente (criação de uma força de trabalho virtual), da aceleração das inovações na economia e da intensificação das competências na força de trabalho. 

De acordo com o levantamento da consultoria, no Brasil, a IA também poderia impulsionar o Valor Agregado Bruto (VAB) da economia local em US$ 432 bilhões. Desse total, US$ 192 bilhões seriam constituídos pelo aumento da capacidade de mão de obra e do capital, US$ 166 bilhões pela automação inteligente e os US$ 74 bilhões restantes pela difusão da inovação.

Para entender o possível impacto da IA na América do Sul, o estudo analisou cinco economias sul-americanas, além de países desenvolvidos e em desenvolvimento fora da região, e em alguns países este fenômeno já é bastante visível. No segmento de mineração do Chile e Peru, por exemplo, as empresas já utilizam equipamentos autônomos em suas minas, onde recrutadores empregam algoritmos de emotion analytics. O mesmo exemplo também se aplica às áreas financeira e de varejo, nas quais clientes de bancos, companhias aéreas e comércio de toda a região já utilizam chatbots.

O estudo completo está disponível aqui. Caso tenha interesse em aprofundar os dados acima, assim como em outros detalhes do documento, por favor nos procure.

 

 

Compartilhe

Publicidade