Proxxima
Meio & Mensagem

O que você não está vendo no MWC: fim dos apps e edge computing.

Buscar

Blog do Pyr

Publicidade

O que você não está vendo no MWC: fim dos apps e edge computing.

Aos poucos, os nossos tão queridos e úteis aplicativos irão nos deixando, juntamente com os celulares, e novas formas interativas, possibilitadas entre outras coisas pelo edge computing, vão invadir nossas vidas. Não tá claro, mas tá no MWC.

27 de fevereiro de 2019 - 11h40

Está no MWC, mas nem todo mundo está vendo.

Os apps como os conhecemos vão ir desaparecendo aos poucos, cedendo lugar a uma nova era de “aplicativos”, se é que os chamaremos assim, em que a integração com a internet será mais íntima e pervasiva, em que plataformas de interação cognitiva, anabolisadas por dados, falarão (literalmente) de forma mais próxima conosco e em que as marcas terão a sua disposição, para conversar de maneira interativa direta, recursos digitais em tempo real, one to one, como nunca tivemos antes.

Quem acompanha o MWC todos os anos está vendo isso acontecer em capítulos. De uma certa forma, quase em câmera lenta.

Embora sempre repitamos, com razão, que as transformações tecnológicas digitais avançam a uma velocidade estonteante, essa substituição dos apps, instalados em nossos celulares, por uma nova geração tecnológica de interação direta entre o emissor (qualquer emissor, aquele que aciona uma cadeia de interação) e nós, humanos consumidores e usuários, vem se dando de maneira gradual. E deverá seguir assim.

Quando digo fim dos apps, digo fim dos aplicativos que temos hoje populando a tela de início dos nos celulares, você sabe. Eles nos são hoje indispensáveis e fica difícil imaginar a vida sem eles.

Mas veja, tudo o que fazem e os benefícios que nos entregam, seguirão. E serão ainda mais sofisticados. O que fica cada vez mais claro a cada MWC é que eles irão cedendo espaço a plataformas que conversarão mais conosco, seja por voz (as assistentes de voz que viraram celebridades de dois anos para cá), que é a tendência mais clara hoje, seja por video-conf (imagem), e que estarão embarcadas em todas as coisas, a Internet das Coisas.

Até os próprios celulares, na mesma linha da câmera lenta, irão sendo substituídos aos poucos por torradeiras. If you know what I mean.

Isso está no MWC 2019 como está também, só que nas salas mais técnicas, a discussão sobre edge computing, que é mais cabeçuda e difícil para quem não é do mundo telcom, como é o seu caso e o meu, mas que vale aqui comentarmos, porque é um pedaço importante de todos os parágrafos aí de cima, aquela parte que nós leigos não vemos, mas que viabiliza a interface que chega até nós e com a qual interagimos.

Tentando facilitar nossa vida aqui, o tal edge computing é uma camada de infra-estrutura de armazenagem e transmissão de dados que vai ficar (já está ficando) entre a nuvem e nossos aparatos móveis de dia a dia. Ela vai trazer mais agilidade, eficiência e flexibilidade ao tráfego de dados e, portanto, para nossa vida em geral. Chama-se edge porque fica na franja de rede mais próxima dos devices que levamos no bolso hoje, ou de qualquer aparelho/máquina que se conecte com a internet.

É papo de infra-estrutura de rede, mas que vai possibilitar que novos e ainda mais diversificados recursos de aparelhos celulares possam ser desenvolvidos e que, por exemplo, campanhas interativas das marcas sejam resolvidas com maiores e melhores recursos digitais interativos.

Bom, se não entendeu, deixa pra lá. Quis apenas sinalizar aqui que o edge computing vai vir e que vai ajudar a nos conectarmos de forma ainda mais rápida e rica, no ambiente mobile.

Mais do que toda a nova coleção de aparelhos móveis que o MWC 2019 está exibindo, são essas transformações as que de fato vão mudar mais profundamente o mundo (cada vez mais mobile) em que vivemos.

 

 

 

 

 

Compartilhe

  • Temas

  • Mobile

  • Apps

  • MWC

  • assistentes de voz

  • mobile apps

  • edge computing

Publicidade