Proxxima
Meio & Mensagem

A TV precisa mudar já

Buscar

Blog do Pyr

Publicidade

A TV precisa mudar já

A comercialização de mídia pelas TVs precisa de uma vez por todas sair dos anos 1970 e entrar nos anos 2020. Parar para sempre de vendar audiência bruta, classificada grosseiramente como gado, para entregar acesso a pessoas individualizadas, como as pessoas são

12 de janeiro de 2021 - 8h00

Trabalhar num mercado de comunicação e mídia absolutamente personalizável e customizável como o de hoje com conceitos, targets e agrupamentos genéricos é quase um desrespeito aos seus clientes, os anunciantes, sem falar na amadora prestação de serviços comerciais ao seu público prioritário e razão de ser, nós, todos os espectadores.

Gente não é commodity.

A TV seguirá sendo uma das grandes forças da comunicação em massa no mundo, pelo menos no futuro próximo.

As tentativas, todas honrosas e meritosas de integração com o mundo digital, via apps e players, além das possibilidades de utilização de plataformas automatizadas de mídia para compra e venda programática, são dignas de respeito. E aplausos.

Mas o setor, essa indústria, no atacado, caminha a passos de tartaruga para se tornar definitivamente interativa e uma ferramenta, para além de informativa e de awareness, mas de efetiva prestação de serviços para as pessoas e de conversão e vendas para os anunciantes.

Não há qualquer barreira tecnológica que a impeça nessa jornada. Muito pelo contrário, a tecnologia está lá na frente, a TV é que está lá para trás.

Francamente, não dá para entender.

A TV precisa mudar já

A comercialização de mídia pelas TVs precisa de uma vez por todas sair dos anos 1970 e entrar nos anos 2020. Parar para sempre de vendar audiência bruta, classificada grosseiramente como gado, para entregar acesso a pessoas individualizadas, como as pessoas são.

Trabalhar num mercado de comunicação e mídia absolutamente personalizável e customizável como o de hoje com conceitos, targets e agrupamentos genéricos é quase um desrespeito aos seus clientes, os anunciantes, sem falar na amadora prestação de serviços comerciais ao seu público prioritário e razão de ser, nós, todos os espectadores.

Gente não é commodity.

A TV seguirá sendo uma das grandes forças da comunicação em massa no mundo, pelo menos no futuro próximo.

As tentativas, todas honrosas e meritosas de integração com o mundo digital, via apps e players, além das possibilidades de utilização de plataformas automatizadas de mídia para compra e venda programática, são dignas de respeito. E aplausos.

Mas o setor, essa indústria, no atacado, caminha a passos de tartaruga para se tornar definitivamente interativa e uma ferramenta, para além de informativa e de awareness, mas de efetiva prestação de serviços para as pessoas e de conversão e vendas para os anunciantes.

Não há qualquer barreira tecnológica que a impeça nessa jornada. Muito pelo contrário, a tecnologia está lá na frente, a TV é que está lá para trás.

Francamente, não dá para entender.

Compartilhe

Publicidade