Meio & Mensagem

Storytelling: a encruzilhada do jornalismo e do marketing

Buscar
Publicidade

17 de janeiro de 2022 - 16h43

Traduzo abaixo artigo do colaborador do Media Post, Steven Rosenbaum, que por sua vez cita Frank Rose, um jornalista, como o próprio Rosenbaum descreve, incomodado com temas delicados da profissão de jornalista. Jornalista hoje.

O tema em questão é como contar histórias jornalísticas que gerem atenção e engajamento num mundo afogado em informação e narrativas infinitas de origens igualmente infinitas.

O título do artigo é The Blurring Lines e a citação do Rosenblaum é de um livro do Rose que se chama The Sea We Swim In e tem como subtítulo …. Como as histórias funcionam em um mundo orientado a dados.

Data driven stories é o novo (já ficando velho, escrevi sobre isso algumas vezes) desafio do jornalismo contemporâneo.

Creio profunda e inapelavelmente, que jornalismo é serviço público. Não tem nada a ver com marketing, nem com dados, nesse sentido.

Mas a distribuição de suas histórias, exatamente para atingir em cheio seu objetivo e seu alvo, precisa hoje entender as novas lógicas das novas tecnologias. Sem que isso signifique, em nenhum instante, afastar-se de sua missão original.

A incompatibilidade pode estar, muitas vezes, na ignorância, no preconceito e na falta de habilidade técnica dos jornalistas. Tudo isso pode (e deve) ser superado. Em nome sabe do que? Do próprio jornalismo, sua eficácia e sua incomparável contribuição para as sociedades.

Se você se interessa pelo tema, vale ler o Rosenbaum e o Rose logo abaixo.

Por Steven Rosenbaum

Frank Rose não é um jornalista comum. Desde que o conheço, ele vem fazendo perguntas difíceis sobre a prática de contar histórias à medida que o chão se move abaixo de nossos pés.

Seu último livro é provocativo e oportuno. “The Sea We Swim In” é o título do livro, e pretende ser uma metáfora acessível para as informações que saem de nossos telefones e telas. Estou mais apto a usar palavras como “avalanche”, “inundação” e “sobrecarga digital”, e não tenho certeza se Rose e eu concordamos com o impacto que o volume de informações está causando em nosso mundo e nossas vidas.

Mas para os propósitos deste livro, o subtítulo é uma pista para onde tudo isso está indo. “Como as histórias funcionam em um mundo orientado a dados” é um quebra-cabeça que vale a pena descompactar, já que orientado a dados não é a maneira comum de apresentar histórias. E a ideia de que as histórias “funcionam” também é uma pista. As histórias não são mais contadas apenas ao redor da fogueira; eles são as balas na arma de marketing orientada para a tecnologia com o objetivo de mover mercados e gerar receita. As histórias precisam ter resultados, e isso coloca os jornalistas na mira da máquina de marketing.

Uma pandemia global com extraordinárias inovações médicas para combatê-la se transforma em uma conspiração, e QAnon – uma teoria boba sobre pedófilos democratas e tiroteios em pizzarias – se transforma, quase da noite para o dia, em um crescente partido político de direita alimentado por histórias.

Rose está certo em dissecar como a narrativa está alimentando – alguns diriam esmagando – nosso mundo narrativo. “Certamente antecede as ideias do metaverso, ou mesmo da internet, mas tem a ver com a ascensão das marcas de estilo de vida”, diz Rose. “E as marcas de estilo de vida podem ser quase qualquer coisa; pensamos nelas como, talvez, bebidas sofisticadas ou uma marca de roupas – mas a Harley Davidson não é nada além de uma marca de estilo de vida.” Mas contar histórias de marcas não é jornalismo. “Seu produto – sua cerveja, sua loção pós-barba, sua pasta de dente – não está na jornada de um herói.”

Mas se contar histórias agora é essencial para a identidade da marca, onde isso deixa o jornalismo? Jay Rosen, que ensina jornalismo na NYU e bloga na PressThink, tem muito a dizer sobre esse assunto. Ele é rápido em apontar que mídia não é o mesmo que jornalismo. “Penso na mídia como o negócio da atenção, uma indústria cujo produto é o público. No entanto, a maioria dos jornalistas são funcionários da mídia e, portanto, parte do negócio da atenção. Isso cria problemas e compromissos sem fim, dos quais ouço falar sem parar. imprensa – na minha opinião – é a instituição que perdura ao longo do tempo à medida que os jornalistas entram e saem dela. Mídia, jornalismo e imprensa não são termos intercambiáveis. No entanto, eles estão ligados um ao outro. Mídia é a atenção. O jornalismo é uma prática social, cujo objetivo é manter o público informado e responsabilizar o poder.”

Frank Rose e Jay Rosen são dois dos meus pensadores favoritos, e ambos estão tentando resolver a mesma coisa. Toda narrativa é branding? Jornalismo é contar histórias? E se a mídia absorveu (alguns dizem que consumiu) o jornalismo, o impulso do serviço público que atraiu gerações de miseráveis ​​manchados de tinta para a prática agora é pouco mais do que uma estrutura bacana para vender coisas?

O pessoal dos jornais antigos lembra bem como se chamava o espaço do jornalismo: o “buraco da notícia”, o espaço que sobrava depois que todos os anúncios eram colocados. Então, talvez a economia do poder que está impulsionando o jornalismo hoje não seja uma coisa tão nova, afinal.

“A busca da verdade é o que os jornalistas se veem sempre fazendo”, diz Rosen. E isso continua sendo verdade, mesmo que as linhas da narrativa estejam embaçadas. Afinal, é o mar em que estamos todos nadando, e as águas estão ficando agitadas.

Publicidade

Compartilhe

Veja também