Proxxima
Meio & Mensagem

Inteligencia Artificial sincerona

Buscar

How To

Publicidade

Inteligencia Artificial sincerona

Como as máquinas serão evidentemente muito inteligentes, poderão se transformar em entidades sem muita paciência com os seres inferiores, no caso, nossotros. Ou pior: aprenderem a nos manipular e, ingratas, cuspir no prato que comem.

ProXXIma
24 de maio de 2018 - 7h39

 

Por Henrique Szklo (*)

 

Esta última edição do ProXXIma foi, mais uma vez, imperdível. É claro que estou puxando um pouco o saco, mas estou sendo sincero ao mesmo tempo. Uma das apresentações que mais me impressionaram foi a do diretor de marketing da IBM, o Mauro Segura.

 

Ele, basicamente falou de inteligência artificial e machine learning. E para ilustrar, mostrou um aplicativo que nos dá a possibilidade de conversar com produtos expostos nos pontos de venda. Ele fez uma demonstração ao vivo, conversando com um pão de forma. Perguntou se o pão tinha glúten, qual era a composição e se o fato de torrar o pão tiraria as propriedades nutritivas. O pão, com voz feminina, respondeu a todas as perguntas educadamente, com detalhes e desenvoltura. Chegou até a oferecer algumas receitas. A cena foi insólita.

 

Imediatamente fiquei me perguntando se as máquinas com inteligência artificial realmente se desenvolverem e criarem opinião própria. Como serão evidentemente muito inteligentes, poderão se transformar em entidades sem muita paciência com os seres inferiores, no caso, nossotros. Ou pior: aprenderem a nos manipular e, ingratas, cuspir no prato que comem, detonando a própria empresa que as contratou. Sim, se elas ficarem inteligentes, com certeza desenvolverão uma característica muito comum aos humanos: a ingratidão. E se a sinceridade estiver associada, a nossa economia correrá um sério risco.

 

Imagine os seguintes diálogos entre o consumidor e os produtos:

 

Carne

– Por favor, você está fresca?

– Tá me estranhando, brother?

– Não, desculpe, só quero saber se está apropriada para consumo.

– Preparada estou, só não aconselho…

Por que?

– A higiene lá do frigorífico não é das melhores. Semana passada teve até uma multa da autoridade sanitária.

– Puxa…

– Sem contar que o dono está preso. A propina ali corre solta. Virou carne de vaca…

– Acho que vou comprar uma salada

– Faz bem

 

Suco em caixinha

– Qual o seu sabor?

Aqui diz laranja, mas de laranja mesmo só a cor da embalagem. Na verdade o sabor mais parece mistura de sapato velho com cera de depilação.

– Mas não é tudo natural?

Se você  considerar que produto químico é natural...

– Mas na propaganda apareciam pessoas felizes colhendo as laranjas numa plantação enorme

Tudo montagem. Tudo aqui é artificial, inclusive minha nteligência. Mas a sua não tá muito atrás não.

– Mas o que é que eu faço então?

– Bebe água. Mas não essa aqui do lado que elame falou que vem da torneira.

 

Tênis

– Você tem tamanho 40?

– O que você acha?

– E qual é o material utilizado na sua fabricação?

– Crianças tailandesas acorrentadas…

– Ah, mas achei você bem bonito

– Se você for desfilar na avenida…

– Eu vou levar, o preço tá bom

Tá ótimo, principalmente se você considerar que custou um décimo pra fabricar.

 

Apartamento em construção

– Por favor, você tem mesmo 100 metros quadrados?

– Ha!

– Os materiais utilizados são de qualidade?

– Ha, ha!

– E o acabamento?

– Ha, ha, ha!

– Mas vai entregar as chaves no prazo, né?

– Meu deus…

 

Joalheria

– Que anel maravilhoso… quanto você custa?

– Mais do que você pode pagar.

– Como é que você sabe o que eu posso ou não posso pagar?

– Eu tenho inteligência artificial mas não sou cego. Pela sua cara dá pra ver

– Que saber, vou comprar só pra te esfregar na cara…

Cliente entra na joalheria. E o anel comemora:

– Legal mais uma venda. Vou querer comissão.

Sinceramente, acho que o uso de inteligência artificial pode ser um tiro no pé. Ao invés de facilitar nossa vida, pode acabar nos levando acrises sem precedentes em nossa história. Quer saber? É melhor a gente deixar as coisas como estão e continuarmos com a nossa ignorância natural.

 

(*) Henrique Szklo é Sócio e Chief SubversionOfficer da Escola Nômade para Mentes Criativas

 

Compartilhe

Publicidade