Proxxima
Meio & Mensagem

Alright Adtech faz previsões para o marketing digital 2020

Buscar

How To

Publicidade

Alright Adtech faz previsões para o marketing digital 2020

Todas as tendências que vislumbramos para o próximo ano têm em comum a necessidade de controle de dados, parcerias em torno da tecnologia, automação e uso de ferramentas mais avançadas em busca de um modelo próprio para cada empresa.

ProXXIma
8 de janeiro de 2020 - 7h47

 

Todos os anos, aparecem muitas listas com exercícios de futurologia sobre marketing digital no próximo ano. É muito tentador dar uma espiada no que os gurus, empresas e influencers tem a dizer sobre o que vem por aí. Muitas vezes, nosso medo de ficar de fora do assunto é mais forte do que as nossas convicções próprias sobre o futuro.

A verdade é que precisamos ser cuidadosos com previsões que, na verdade, são meros jargões do momento. Pode custar caro fazer investimentos em tecnologia que a empresa e os consumidores não estão preparados, ou no momento certo, para adotar. 

Muita gente que está chegando agora neste grande rolê do marketing digital costuma sair repetindo as previsões mais óbvias, sem muito contexto, na falta do que falar numa reunião. Então, alguém grita “vamos investir em inteligência artificial!” ou “precisamos de Algoritmos!” na sala. Na sequência, todos os C-level, que estão desesperadamente tentando descobrir como transformar a velha economia, aplaudem e seguem sem saber o que fazer no dia seguinte.

Então, o que podemos dizer sobre o próximo ano que possa verdadeiramente orientar decisões no marketing digital?  Veja abaixo as 5 previsões de marketing digital que a Alright elencou para 2020:

 

Previsão 1 – Marcas vão se associar aos veículos

Este ano o BTG surpreendeu o mercado com a compra da Revista Exame do Grupo Abril. Ao realizar esse negócio eles adquiriram uma grande audiência interessada em negócio e finanças (estimamos cerca de 20 milhões de usuários únicos mensais). Essa audiência, que muitos concorrentes buscam continuamente através de compra de mídia todos os meses, agora pode ser acionada a hora que o BTG bem entender. A eficiência de cada real investido em comunicação aumenta muito quando você é um veículo que domina uma certa audiência. Neste mesmo segmento de mercado, a XP investimentos já tinha mostrado como isso é importante ao investir no canal Infomoney. Tanto as marcas como os veículos, estão descobrindo que a tecnologia permite um empoderamento sobre os dados de audiências em diferentes ambientes.

Por isso acreditamos que no próximo ano veremos associações e parcerias mais profundas e duradouras entre marcas e veículos para comunicar de forma mais contínua com seus públicos. 

 

Previsão 2 – Martech como negócio 

As tecnologias de marketing atuais compõem um grande segmento de mercado (martech) e se tornaram acessíveis a todos os seus concorrentes. Isso significa que a sua diferenciação tecnológica no acesso ao consumidor tende a zero ao longo do tempo. Basta todos os seus concorrentes contratarem as mesmas ferramentas e se capacitarem para utilizá-las no mesmo nível. Um movimento cada vez mais frequente entre as grandes marcas é o de adquirirem empresas de tecnologia que consideram chave para algumas partes do seu negócio. Nike comprou uma empresa de personalização de conteúdo. Wallmart arrematou uma plataforma de Native ads. E outros exemplos são fáceis de encontrar ao redor do mundo.

Isso significa que marcas que não possuem caixa para cartadas tão ousadas de aquisição deverão se associar a empresas de tecnologia para realizar um co-desenvolvimento de metodologias e tecnologias próprias.

Aqui entram as tecnologias emergentes como inteligência artificial, blockchain, chatbots, automação, mídia programática, e etc. Busque parceiros que turbinem peças chave do seu negócio.

 

Previsão 3 – Privacidade relativa

Privacidade de dados pessoais é obrigação das empresas e não um diferencial de mercado. Porém a GDPR não resolve todas as brechas de privacidade que permitem o acesso aos nossos dados para uso comercial. Os dados que uma empresa protege outras mil liberam para o mercado utilizar para oferecer produtos, serviços e anúncios para você. As pessoas estão cada vez mais conscientes de que seus dados são utilizados. Mesmo sem saber exatamente como e quando, elas entendem cada vez mais que estas informações tem valor para as marcas.

Portanto acreditamos que este próximo ano veremos mais consumidores utilizando suas informações pessoais para receber algo em troca de forma consciente. Como usar a seu favor: domine os dados do seu negócio com ferramentas acessíveis ao seu time de marketing e mostre ao seu consumidor que você dá valor aos dados dele, oferecendo recompensas e vantagens. 

 

Previsão 4 – Whatsapp vs E-mail Marketing

Essa briga foi boa de ver em 2019. Em 2020, tudo indica que o whatsapp vai se tornar ainda mais o canal prioritário de conexão direta entre marcas, consumidores e veículos também. Muitas marcas estão criando uma espécie de redundância no WhatsApp de todas as interações que fazem por e-mail. Dessa forma o consumidor escolhe como quer seguir a conversa. Porém, o WhatsApp tem o problema do custo operacional, pois não é viável manter um atendimento direto para grandes volumes de consumidores simultaneamente.

Isso significa que precisamos adotar sistemas de automação de marketing que vão além do e-mail para conectar com usuários. Isso vai desde simples fluxos de conteúdos pré-definidos no whatsapp até os chatbots. Tudo vai depender do grau de maturidade digital de cada empresa.

 

Previsão 5 – Mídia programática no centro

Os profissionais de marketing estão compreendendo cada vez melhor como utilizar a mídia programática a favor dos seus objetivos. Primeiro, porque existe uma consciência maior de que é preciso controlar seus dados para modelar estratégias o que resultam num diferencial competitivo verdadeiro em relação à concorrência. Quanto menor é a dependência dos dados dos “jardins fechados” (Google e Facebook), maior é o poder e controle do profissional de marketing sobre o resultado. Segundo porque, alguns mitos sobre a compra programática estão caindo à medida que as boas práticas vão se tornando mais conhecidas. Por exemplo: a escolha de veículos seguros vem tomando lugar do velho discurso de que não importa onde a marca vai aparecer e sim quem ela vai impactar.

Cada vez mais as marcas buscam contexto favorável e ambientes seguros para comunicar no digital. Performance é outro ganho importante para a escala do modelo programático. Formatos menos intrusivos e de melhor performance, como os anúncios nativos irão se tornar um padrão em 2020. 

Bônus track – Profissional de marketing conector de plataformas

Todas as tendências que vislumbramos para o próximo ano têm em comum a necessidade de controle de dados, parcerias em torno da tecnologia, automação e uso de ferramentas mais avançadas em busca de um modelo próprio para cada empresa. Os profissionais de marketing que vão se destacar no próximo ano são aqueles capazes de conectar todas as peças desse quebra-cabeça tecnológico, que une conteúdo-dados-mídia-automação de forma fluída (ou mais próximo disso).

Então, mais do que pilotar ferramentas e plataformas, o profissional do próximo ano estará interessado em estruturar e testar o framework, antes de sair investindo em grande escala.

Clique aqui para acessar o artigo original.

Compartilhe

  • Temas

  • programatica

  • midia

  • Marketing Digital

  • publishers

  • Conteúdo de marca

Publicidade