Proxxima
Meio & Mensagem

Faturamento do grupo Alphabet atinge US$ 32 bilhões e área de anúncios da Amazon cresce 60%

Buscar

Notícias

Publicidade

Faturamento do grupo Alphabet atinge US$ 32 bilhões e área de anúncios da Amazon cresce 60%

O grupo Alphabet anunciou faturamento de US$ 110,9 bilhões em 2017, um crescimento de 23% em doze meses. O cost-per-click agregado do Google continua em queda (6% em 12 meses), mas o faturamento publicitário das propriedades operadas pelo Google chegou a US$ 27,2 bilhões no trimestre.

ProXXIma
2 de fevereiro de 2018 - 16h56

 

Por Sergio Kulpas

Apesar do crescimento expressivo no faturamento trimestral do grupo que controla o Google, as ações da Alphabet caíram 4% depois do anúncio dos resultados financeiros – analistas de Wall Street haviam previsto resultados ainda melhores.

A Amazon também anunciou seus resultados do trimestre, com vendas líquidas de US$ 60,5 bilhões, um crescimento de 38% em 12 meses. A empresa informou que seu assistente digital de voz Alexa superou as expectativas, e a unidade de publicidade digital cresceu 62% em 12 meses, atingindo US$ 1,735 bilhão.

O grupo Alphabet anunciou faturamento de US$ 110,9 bilhões em 2017, um crescimento de 23% em doze meses. O cost-per-click agregado do Google continua em queda (6% em 12 meses), mas o faturamento publicitário das propriedades operadas pelo Google chegou a US$ 27,2 bilhões no trimestre.

Na Amazon, a publicidade é considerar um “fator essencial” para o crescimento da empresa, especialmente na América do Norte. A empresa diz que pretende desenvolver mais ferramentas para tornar sua experiência publicitária mais “viciante” – no sentido de ser mais agradável tanto para os anunciantes como para os consumidores.

Segundo o analista Collin Colburn da firma Forrester, o uso da Amazon como site de buscas (concorrendo com o Google e similares) deve continuar crescendo. Colburn observa que o sistema de busca da Amazon foi criado com um propósito específico, assim os consumidores podem pesquisar sobre produtos e conseguir resultados mais relevantes do que teriam com o Google.

 

(Seleção e edição: Sergio Kulpas)

 

Compartilhe

Publicidade