Proxxima
Meio & Mensagem

Data warehouse: a peça-chave para a tomada de decisões com base em dados

Buscar

Notícias

Publicidade

Data warehouse: a peça-chave para a tomada de decisões com base em dados

Sistema dados delimita as ações corporativas e é capaz de suportar o marketing de dados

Amanda Schnaider
24 de maio de 2021 - 6h03

Em um mundo digital e personalizado, o uso e o armazenamento de dados são fundamentais para as empresas. Logo, um data warehouse, ou seja, um sistema de gestão de dados, onde são processados, organizados e armazenados, também é essencial para as companhias.

 

(Crédito: Chainarong Prasertthai/istock)

O data warehouse é composto por três principais componentes: a extração de dados de plataformas e sistemas, a limpeza e organização dos dados, também chamada de transformação, e a armazenagem em uma base de dados. Esse processo de três etapas é chamado de ETL (Extract, Transform and Load), ou extrair, transformar e carregar. Segundo Adonis Batista, CEO da Hariken, atualmente, a maioria das plataformas em nuvem incorpora a função de data warehouse.

Além de centralizar os dados e eliminar ruídos de comunicação entre os setores da própria empresa, esse sistema de gestão de dados também delimita as ações corporativas e suporta o marketing por dados. “É ferramenta que permeia todos os processos de gestão de dados, desde o princípio até a saída em forma de informações relevantes. Essas, por sinal, tornam-se úteis e valiosas para a tomada de decisão”, ressalta Batista.

Para Guilherme Lopasso, diretor de analytics da Predicta, o data warehouse é a peça-chave para a tomada de decisões com base em dados. No marketing, esses dados vêm das plataformas digitais tais como Google Ads, Facebook Ads, Display e Video Taboola, Criteo, plataformas de análise de tráfego no site, como Google Analytics e Adobe, e de sistemas corporativos de gestão de clientes, como CRM.

“Ter disponível o grande volume de dados de clientes e campanhas de marketing de forma rápida e confiável é fundamental para construir relatórios e dashboards que vão revelar o desempenho das campanhas e apontar eventuais oportunidades de melhorias”, diz Lopasso. O diretor enfatiza que, com o fim dos cookies de terceiros, o data warehouse torna-se ainda mais relevante, visto que os anunciantes vão precisar se basear em seus próprios dados sobre clientes, os firsty-party data, para nortear suas decisões de marketing.

Vantagens
Uma das vantagens em utilizar um sistema de gestão de dados é conseguir tomar decisões sobre estratégias e investimentos em maketing com muito mais propriedade sobre seus efeitos e retornos. “Acumular os dados também possibilita realizar análises estatísticas mais sofisticadas e aplicar modelos de aprendizagem de máquina. Essas técnicas são utilizadas, por exemplo, para prever a probabilidade de um cliente realizar uma compra, indicar qual a melhor composição de canais de marketing e vendas ou revelar quais segmentos de clientes são mais valiosos para a empresa”, comenta o diretor de analytics da Predicta.

Batista, CEO da Hariken, observa vantagens mais técnicas na utilização do data warehouse, como otimização na qualidade dos dados, gerando uma padronização de códigos e descrições; identificação e correção de dados equivocados, inconsistentes ou confusos; e reorganização de dados para aperfeiçoamento das consultas.

Implantação
Para implantar o sistema de gestão de dados como o data warehouse em uma empresa é preciso um profissional capacitado, chamado DBA (administrador de banco de dados). “Ele será responsável por escolher as melhores tecnologias que se adaptam às necessidades e estratégias da empresa. Desde a escolha do formato do banco de dados até os formatos dos dashboards que serão utilizados pelos times da empresa”. Para aproveitar o máximo do potencial da solução, o diretor de analytics da Predicta reforça que será necessário também adicionar cientistas de dados à equipe de marketing. “Os analistas de marketing que já atuam na área também precisam ficar atentos e se preparar para a adoção de um data warehouse na empresa em que trabalham. Provavelmente, vão precisar aprender a linguagem SQL e técnicas da ciência de dados”, enfatiza.

O diretor também reforça que é preciso ter boas ferramentas para implementar o data warehouse em uma companhia. “O mercado tem optado por escolher soluções de provedores de cloud, pela facilidade e escalabilidade dessas soluções. A empresa consegue começar com uma base pequena e ampliá-la para integrar com mais sistemas e plataformas, pagando proporcional ao que utilizar”, finaliza.

**Crédito da imagem no topo: Ivanastar/iStock

Compartilhe

Publicidade