Meio & Mensagem

Otsuka, da Tokio Marine: IA revoluciona insurtechs

Buscar
Publicidade

Notícias

Otsuka, da Tokio Marine: IA revoluciona insurtechs

Segundo o diretor de estratégia de crescimento e marketing, a tecnologia ajuda a entender as necessidades dos consumidores e a inovar os modelos de oferta e de comercialização de produtos

Victória Navarro
2 de fevereiro de 2022 - 6h00

Explorar o potencial das redes sociais, desburocratizar serviços, entender melhor as necessidades do consumidor e inovar os modelos de oferta e de comercialização de produtos. Esses são alguns benefícios da aplicação de inteligência artificial (IA) em insurtechs. Segundo Flávio Otsuka, diretor de estratégia de crescimento e marketing da Tokio Marine, o setor tem o papel social de difundir a cultura do seguro no Brasil e de oferecer soluções que agreguem valor via serviços, produtos e tecnologias. “A aproximação entre as seguradoras e as insurtechs permite um maior investimento do setor em inovações e leva ao aumento da penetração do seguro na economia, beneficiando toda a cadeia”, afirma. Ao Meio & Mensagem, o profissional ainda aborda como o blockchain impactará as insurtechs, como as seguradoras podem integrar startups de modo eficiente e qual é a importância de criar produtos com foco no cliente e nas suas necessidades.

 

Flávio Otsuka, diretor de estratégia de crescimento e marketing da Tokio Marine (crédito: divulgação)

Meio & Mensagem – Qual é o papel social das insurtechs?
Flávio Otsuka – As insurtechs são empresas de tecnologia que desenvolvem soluções aplicáveis ao mercado de seguros. Com essa função, as insurtechs, assim como os demais players do setor de seguros, têm o papel social de colaborar para difundir a cultura do seguro no Brasil e de oferecer soluções que agreguem valor tanto para o corretor de seguros quanto para o cliente final, via serviços, produtos e tecnologias. Algumas aplicações possíveis dessa função estão na automação de processos; na elaboração e na oferta de produtos mais simples; na troca de informações entre prestadores de serviços, corretores, seguradoras e consumidores; na percepção do público em relação à importância do seguro; na aplicação de inteligência artificial em processos complexos; e na ampliação dos canais de comunicação com o cliente.

M&M – Como a inteligência artificial e o machine learning vem revolucionando o mercado de seguros?
Otsuka – A inteligência artificial já é uma realidade no mercado de seguros e vem ajudando a automatizar e otimizar atividades operacionais, permitindo a liberação das equipes para atuarem em áreas e em processos mais estratégicos. Por meio da inteligência artificial, é possível explorar melhor as redes sociais e os canais digitais; eliminar o papel; desburocratizar os serviços prestados pelas seguradoras e pelas corretoras de seguros; simplificar produtos e serviços; entender melhor as necessidades do consumidor; identificar canais de distribuição de produtos mais adequados; ajudar a fomentar a cultura do seguro; e inovar nos modelos de oferta e comercialização de produtos. A inteligência artificial e o machine learning vão nos auxiliam a entender e a lidar com um novo perfil de consumidor, que nos desafia a pensar cada vez mais em como atender a demanda por seguros em um mundo no qual as decisões têm que ser muito rápidas e as informações precisam estar disponíveis a qualquer momento e em qualquer lugar.

M&M – O blockchain impactará as insurtechs?
Otsuka – Entendo que essa ferramenta é muito importante para a troca de ativos, meios de pagamento, gestão de contratos, registros de informações compartilhadas com segurança, integridade e rapidez. Por isso, deve impactar a atuação das insurtechs. A tecnologia de blockchain pode vir a ser uma excelente alternativa também para essas empresas, pois ainda há muito espaço para avanços no Brasil. Pela característica principal do blockchain, a de garantir segurança da cadeia de informação, essa tecnologia pode ser utilizada no registro das operações de seguro e na troca de informações entre insurtechs, seguradoras, resseguradoras, clientes e parceiros, de uma forma ágil e que atenda às necessidades de um ambiente de negócios cada vez mais digital.

M&M – Como empreender e atrair investimentos em insurtechs?
Otsuka – A aproximação entre as seguradoras e as insurtechs permite um maior investimento do setor em inovações e leva ao aumento da penetração do seguro na economia, beneficiando toda a cadeia do setor.

M&M – Como as seguradoras podem integrar startups de modo eficiente?
Otsuka – As startups têm como característica algo que é muito valioso para qualquer mercado: dados sobre o comportamento de consumo do cliente. Por isso, seguradoras e corretores de seguros são muito beneficiados por esse tipo de parceria — especialmente, os corretores, uma vez que podem oferecer aos seus clientes produtos e serviços diferenciados e customizados, que se adequem a cada realidade. Dessa forma, o trabalho conjunto entre seguradoras e startups é uma prática estratégica para essa integração, além de colaborar para o aumento da penetração do seguro na economia. Barreiras territoriais foram quebradas e os clientes estão, cada vez mais, exigentes e conectados, ávidos por soluções inovadoras, que atendam às necessidades criadas pela tecnologia. Nesse contexto, acredito que a integração entre seguradoras e startups será, cada vez mais, um dos ativos estratégicos das organizações.

M&M – Para o mercado de seguros, qual é a importância de criar produtos com foco no cliente e nas suas necessidades?
Otsuka – O desenvolvimento de produtos que tenham foco no cliente e em suas necessidades é um fator essencial para o setor de seguros. Acredito que o comportamento do cliente é a principal mudança que vai impactar, cada vez mais, o mercado de seguros. Aliás, temos observado isso nos últimos anos, mas esse fator ficou ainda mais evidente pela imposição de isolamento social causada pela pandemia. O novo perfil do consumidor nos desafia a pensar em como atender a demanda por seguros, em um mundo no qual as decisões têm que ser muito rápidas e as informações precisam estar disponíveis a qualquer momento. Dessa forma, precisamos estar prontos para o grande desafio de prover soluções às demandas desse público, além de ajudar nossos parceiros a se prepararem para esse novo público, que quer se comunicar e interagir com seus prestadores de serviços via canais digitais.

*Crédito da foto no topo: Reza Fahlevi/Pexels

Publicidade

Compartilhe

Veja também