Meio & Mensagem

In-Game Marketing & Advertising: um guia

Buscar
Publicidade

2 de junho de 2022 - 6h00

Crédito: KateStudio/shutterstock

A indústria de games, chovo no molhado aqui, é possivelmente a indústria mais promissora do ambiente do conteúdo e do entretenimento hoje, maior do que várias outras indústrias desses setores juntas. E crescendo.

Estima-se que existam cerca de 2,5 bilhões de jogadores no mundo hoje. Isso é um terço da população do Planeta. E esse número deve ser 3,1 em 2025.

Marcas e agências ainda são jogadores iniciantes e meio bobinhos nesse ambiente profissa. aprendizes. Só que conhecer esse universo torna-se essencial para estar onde bilhões de consumidores e targets estão. Se divertindo a valer.

Encontrei um mini guia de in-game marketing and advertising e trago aqui trechos traduzidos para quem se interessa pelo tema. O original tá no SmartBrief, se você tiver interesse.

Mas vamos lá. O texto original com algumas contribuições do pitaqueiro aqui.

Um dado para começar. Só nos Estados Unidos, os jogos para celular devem ultrapassar US$ 11,35 bilhões até 2025. Em escala global, o mercado de videogames deve ultrapassar US$ 200 bilhões até 2023. Do ponto de vista da publicidade, esses números sozinhos são motivo para entrar no mercado. Mas há outro motivo, sem dúvida ainda mais forte.

A indústria de videogames é dominada por pessoas de 18 a 35 anos, com 29% dos jogadores pertencentes a esse promissor grupo. A idade média de um jogador? 34. E, ao contrário dos estereótipos, 45% de todos os jogadores dos EUA são mulheres.

Que melhor maneira para os anunciantes alcançarem esses dados demográficos do que anunciar nessa indústria bilionária de alto engajamento e interação do usuário?

Começando pelo básico, como todo bom guia deve fazer.

O que é in-game marketing ?

O marketing dentro dos jogos geralmente se refere a publicidade pura e simples integrada em jogos de computador, console e celular. Essa é uma ótima maneira de aumentar o engajamento da marca, pois você pode pagar para que sua marca ou produto apareça em sobreposições em sequências de cenas, banners no jogo ou incorporados diretamente na jogabilidade.

Parte do sucesso que os profissionais de marketing têm nessas iniciativas se deve à imersão do jogador no metaverso. Estudos mostram que os jogadores da Geração Z passam o dobro do tempo com amigos virtualmente do que na vida real.

Como resultado, os jogadores podem interagir com a publicidade no jogo. Óbvio. Se você luta para alcançar as pessoas por meio do marketing tradicional, o marketing de videogame é uma tática que lhe dá a oportunidade de alcançar bilhões de fãs engajados.

Apesar de iniciantes, mais e mais marcas estão começando a jogar esse jogo

Em maio, PepsiCo e Pizza Hut se uniram para produzir e distribuir um jogo de realidade aumentada chamado Score com Pogba (“Marcar com Pogba”), antes da final do campeonato europeu de futebol da UEFA.

Tipos de in-game marketing

Existem vários tipos de anúncios no jogo e maneiras de divulgar sua marca para os jogadores, mas aqui estão alguns a serem considerados:

Anúncios dinâmicos no jogo: essa é a forma mais nova (e mais popular) de marketing no jogo. Os anúncios dinâmicos permitem que você compre em tempo real e segmente geograficamente, semelhante aos anúncios de banner em sites. No mundo não digital, normalmente vemos publicidade dinâmica em outdoors, cartazes e pontos de ônibus, indo e vindo com o passar dos dias ou semanas. O mesmo vale para esses tipos de espaços nos videogames.

Anúncios estáticos no jogo: ao contrário dos anúncios dinâmicos, os anúncios estáticos permanecem incorporados no videogame durante sua vida útil. Esse marketing é planejado e integrado diretamente ao enredo do jogo por meio da colocação do produto.

Advergames: Referem-se a videogames criados com o único propósito de promover uma marca ou produto. Exemplos populares de advergames incluem aqueles criados pelas franquias LEGO e Star Wars e Harry Potter. Dentro de cada jogo, o enredo, a jogabilidade e o ambiente são projetados para promover fortemente a marca ou o produto.

Experiências de Realidade Virtual: Recorra ao metaverso para experiências virtuais. Você pode comprar espaços digitais para criar uma realidade virtual. A Gucci fez isso com o Gucci Garden Experience, onde os usuários podiam visitar salas temáticas e ver a história da marca.

Dicas para um marketing bem-sucedido no jogo

Antes de mergulhar no fundo no in-game marketing, aqui estão algumas coisas importantes a serem lembradas:

Combine seu produto com o jogo certo

Todos os tipos de pessoas jogam videogames, mas o gênero preferido varia de pessoa para pessoa. Os machos mais jovens geralmente optam por esportes e jogos de aventura, enquanto as famílias jogam jogos baseados em quebra-cabeças. Ao escolher o jogo que hospedará o anúncio da sua marca, certifique-se de escolher um jogo cujo estilo e demografia se alinhem ao seu produto.

O tempo é importante

Para que sua campanha de marketing seja bem-sucedida, mostre-a aos jogadores no momento em que eles estiverem mais receptivos. Em vez de ser intrusivo ou irritante (ninguém gosta de ser interrompido), mostre o anúncio entre níveis, cenas cortadas ou durante pausas naturais no jogo.

Se você não considerar o momento, corre o risco de os jogadores associarem sua marca à frustração, desconsideração ou pior. Seus anúncios devem servir como um aprimoramento ou uma pausa – não uma interrupção.

Qualidade acima de quantidade

É possível ter grandes volumes no in-game marketing. Porém, mais anúncios não significam necessariamente mais receita, então não sobrecarregue o público. Bombardear jogadores com anúncios pode levar a uma experiência ruim para o usuário. Não seja a razão pela qual os jogadores não estão se divertindo.

Seja criativo

Um dos maiores obstáculos da publicidade de hoje é a cegueira de banner, especialmente quando se trata de jogos para celular. As pessoas vão ignorar qualquer coisa que se assemelhe a um anúncio ou mensagens publicitárias tradicionais.

Portanto, talvez você precise pensar fora da caixa para entrar nessa brincadeira. Que de brincadeira não tem nada.

Publicidade

Compartilhe

Veja também